23 de agosto de 2011

Para a NATURA, vínculo da empresa com consultoras é comercial e não trabalhista

A Natura Cosméticos nega, em resposta à Rede Brasil Atual, que mantenha contratos precários de trabalho com as consultoras da empresa. Em nota enviada pela sua assessoria de comunicação, a companhia alega que o vínculo mantido com as vendedoras é comercial e não trabalhista.

Na semana passada, uma reportagem foi publicada a partir da tese de doutorado da socióloga Ludmila Costhek Abílio, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas (Unicamp). A pesquisa indica que as consultoras arcam com a maior parte dos riscos e sugere que elas atuam como funcionárias da marca, sem receber amparo da fabricante de cosméticos.

Na nota endereçada à autora da reportagem da Rede Brasil Atual, a Natura sustenta que ainda analisa o conteúdo do estudo para se posicionar. Avalia, porém, considerar que não é correta a afirmação de que sejam mantidas relações precárias de trabalho com as cerca de 1 milhão de vendedoras da marca.

O comunicado traz uma série de referências legais para justificar a legitimidade da comercialização de seus produtos pelo sistema chamado de venda direta, enquadrada na mesma legislação que trata do comércio ambulante.

A íntegra da nota pode ser acessada por aqui.